Total de visualizações de página

quarta-feira, novembro 16

RITUAL DE PASSAGEM DOS MENINOS DA INFÂNCIA A ADOLESCÊNCIA.

A história se inicia contra nós, a vida foi árdua e escravizada, rompida e sangrenta. Esquecida, marginalizada, criminalizada, obstruída e arrancada de suas terras, lares e amores. A dor está escrita, em papel, nos olhos da alma e na textura da pele, escorridos em vermelho e esquecidos em um mundo... roubado e perto do fim.

É a maior e considerada a cerimônia ritualística mais importante do Povo Iny, o Hetohoky, (Casa Grande). O ritual de passagem do menino da infância para adolescência é compreendido pelos Iny, como o ritual de maior símbolo espiritual.
Ao  contrário da cerimônia de passagem da menina, da criança o(a) primeiro(a) filho(a) e também outros dois tipos de ritual do menino que são mais simples, o hetohoky se destaca em muitos aspectos.   Começando pelo longo preparo, desde a concentração diversificada e intensa de Aõni Aõni e Worysy (espíritos) até à participação ativa da comunidade local e de outras aldeias do povo Iny.
WORYSY
Foto/ Juanahu Iny

Pontuar detalhadamente sobre o Hetohoky é impossível, pelo fato de muitas práticas ser exclusiva dos Homens e mantidos em segredo.
A cerimônia final de Hetohoky geralmente ocorre no período das estações Verão ou início de Outono, quando ainda há presença da chuva e o Rio Araguaia cheia. Com a cheia do rio, facilita a pesca, caça e a extração da madeira e cipós para utilizar durante a festa. Outro fator contribuinte para isso, é cortar o símbolo mais importante do Hetohoky que é o Tóó, que é a maior madeira implantada em meio as duas casas. O Tóó significa segurança da festa, ele é o centro da festa, e é colocada por todos os homens da comunidade para garantir a segurança e que não seja derrubada durante a festa. A concentração e atração é lutar para defender ou derrubar o Tóó. Os anfitriões e os tios dos meninos defendem e protegem a noite toda, e os visitantes tentam derruba-la.

Durante todo o processo de preparação da cerimônia, os mais esperado é a chegada do Idjasó (Aruanã) e o final do Hotohoky. O Idjasó é a parte essencial e o espírito harmonizador da festa e da comunidade, por ele ser tão importante, sem o Idjasó é impossível ocorrer a festa.
Existe todo um ritual espiritual para conceber um Idjasó a uma criança, é uma tarefa exclusiva dos Pajés que aceitam as forças espirituais de Aruanãs que são do fundo do Rio. O Aruanã é oferecido e entregue a uma criança e aceito pelos pais, tendo um acordo de favores entre o Pajé e a família, sendo que nem todas as crianças possuem Aruanã, porém, o Aruanã se torna uma herança familiar e eterno.
IDJASÓ (ARUANÃ) 
Foto/ Juanahu Iny

Deixando de introduzir sobre algumas sequências e essencialidade do Hetohoky, mesmo deixando muitas partes importante esquecida, o Hetohoky é muito profundo e detalhada, sendo assim, o mínimo que pude e posso mostrar são as partes comuns da cerimônia e interligar a importância desta cerimônia como uma herança cultural rica e única.

O ritual de passagem é longa, entre segredos e histórias, o preparo e a importância é significante e sempre trás emoções por ser tão profundo e resistente ao tempo. O começo é antecipar, os pais anunciam ao menos dois anos antes, ao menos para ser o chefe da festa e o nome da família soar elegantemente aos ouvidos da comunidade. É um desafio, uma luta, uma importância e missão sem igual.

O envolvimento é inteira, completamente coletiva e o cenário e as energias se misturam. Os dias apresentam um ar equilibrado, as famílias se visitam, se pintam, se ornamentam, se comunicam e se alimentam. Risos e choros, lembranças e dores, as sensações e emoções se completam.

A ligação é forte, o menino que após a passagem se torna rapaz, é ensinado a criar uma responsabilidade presente, futura, respeitosa e fiel à suas honras como um homem e aos segredo da casa dos homens que agora lhe pertence. Os olhos de menino se findam, o velho menino se torna outro, ao que lhe é repassado, seja fiel, cavalheiro e guerreiro. O caráter se sobreponho acima de tudo, ser forte e resistente, protetor e um futuro bom marido, construtor e dedicado, seja um homem de valor e de respeito.


O menino é um novo rapaz, após o encerramento do Hetohoky, é confinado na sua Casa Grande por uma semana. Durante o confinamento, lhe é reforçado todos os ensinamentos, assim é formado um novo guerreiro, um novo Iny.

DJIRÉ (MENINO DE PASSAGEM)
Foto/ Juanahu Iny
O Hetohoky por trás dos seus segredos, mostra seu valor construtivo na vida de um menino e de toda a comunidade, a formação do caráter humano é a essência disto tudo, a riqueza e a inteligência de pluralizar o conteúdo de equilíbrio e riqueza ritualística, cultural e social é uma verdadeira demonstração de respeito e construção social. A resistência do Hetohoky ao processo de integração com a sociedade civil, garante que a cultura apesar das modificações natural, resiste em meio a tantas desvantagens e agressões. A cultura ela é moldada e adaptada de acordo com com o tempo, sendo assim, a cerimônia mais importante do nosso Povo INY MAHADÚ se mantêm forte e vivo.
AWIRE.